As Outras Vozes

 

Ameaçam-nos dizendo que “será muito duro”,
e que “não haverá bastante”
porque seremos muitos.

E esboçam-nos  um mundo dividido:
“de um lado os que sobram,
do outro os escolhidos”.

Que “os do Norte” se sintam mais seguros,
viajem em lindos carros
e mimem os seus filhos.

E lá para o Sul que cuidem do que é seu;
Que não nos peçam tanto,
já que muito nos devem.

Profetizam-nos, desde o imperialismo,
Crises nos mercados
e anos de cepticismo.

Para que o Norte remonte ao fim do século
siga-se as normas
que eles próprios ditam.

E lá para o Sul, cem milhões de meninos
padecem as sequelas
da fome e do esquecimento.

 

Mas ainda sobram uns poucos
que dizem que não estão de acordo.
E resiste quem prefere
a luta à desigualdade.
Dia a dia, codo a codo*
há gentes com os mais pequenos
esbanjando Solidariedade.

 

 

* Esta locución adverbial no es traducible en portugués

 

(Letra y Música: Luis Guitarra)

 

Agradecimientos  -  Libro de Visitas  -  Contactar

Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar tu experiencia y nuestros servicios. Si continuas navegando consideramos que aceptas su uso. Puedes obtener más información en nuestra Política de cookies.